40 anos CAVH

Inscrições encerradas. Para mais informações envie um e-mail para [email protected] ou ligue para 3170-5910 / 3170-5911

Informações gerais

Data

17/9 (segunda), 19h, Teatro Cásper Líbero / 40 anos de memória viva – o simbolismo de Vladimir Herzog

19/9 (quarta), 8h30, Teatro Cásper Líbero / Resistirmos, a que será que se destina: os desafios da comunicação hoje

19/9 (quarta), 14h, Sala Aloysio Biondi / É proibido proibir: a arte na ditadura (Seminário)

20/9 (quinta), 19h, Teatro Cásper Líbero / Amar e mudar as coisas: por que lutamos?

21/9 (quinta), 18h, Hall Salas de Aula 3º andar / Eu vejo o futuro repetir o passado (Roda de Conversa)

Descrição

40 ANOS - CAVH

O Centro Acadêmico Vladimir Herzog surgiu em meio a ditadura militar, buscando dar voz aos futuros comunicadores em meio as censuras e opressão do período. E como um nome tão forte que é esse que carregamos, não poderíamos deixar de fora também o nosso processo de luta. Convidamos todos para comemorar os 40 anos de nossa entidade.


40 ANOS DE MEMÓRIA VIVA - O SIMBOLISMO DE VLADIMIR HERZOG

Jornalistas, militantes e ativistas que marcaram época iniciam a Semana para falar sobre o que sofreram como cidadãos e comunicadores durante a Ditadura Militar e qual nosso papel para que essa memória não se esvaia.

O evento ocorrerá no dia 17/09 (segunda-feira) às 19h, no Teatro Cásper Líbero.

 

Convidados (sujeitos a alterações):

- Sérgio Gomes: Jornalista pela ECA-USP, militou pelo PCB e foi torturado durante a Ditadura. Foi um dos fundadores e é diretor da OBORÉ Editorial, integra o Conselho Deliberativo do Instituto Vladimir Herzog e coordena o projeto Repórter do Futuro.

- José Hamilton Ribeiro: Estudou Jornalismo na Cásper Líbero e presidiu o Centro Acadêmico anterior à criação do CAVH. Trabalhou nas revistas Realidade e Quatro Rodas, na Folha de S. Paulo e foi repórter de Guerra pela TV Globo. É vencedor de diversas edições do Prêmio Esso.

- Rose Nogueira: Jornalista. Durante a Ditadura, foi militante da ALN (Aliança Libertadora Nacional), tendo sido encarcerada e torturada. Trabalhou na Folha de S. Paulo, criou o programa TV Mulher e foi editora do Jornal Nacional. Ela preside o grupo Tortura Nunca Mais.

 

- Clarice Herzog: Viúva de Vladimir Herzog, publicitária e presidenta do Instituto Vladimir Herzog.

 

- Amelinha Teles: Foi militante do PCdoB durante a Ditadura, na qual foi presa e torturada. Participou do jornal Brasil Mulher e é diretora da União de Mulheres de São Paulo, coordenadora do Projeto Promotoras Legais Populares e integrante da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos.

 

- Ivo Herzog: Filho de Vladimir Herzog e engenheiro pela USP. Foi fundador e diretor-executivo do Instituto Vladimir Herzog.

 

- Tiago Marconi: Formado em Audiovisual pela ECA-USP, é diretor, editor e produtor na Peripécia Filmes. Ele desenvolveu SP 64, um app de geolocalização que identifica no mapa da cidade os lugares de acontecimentos relevantes na Ditadura Militar.

 

Mediação: Pedro Ortiz - Professor de Jornalismo da Cásper Líbero, documentarista e diretor de TV. Mestre e Doutor em Integração da América Latina na área de Comunicação e Cultura pela USP.


RESISTIRMOS, A QUE SERÁ QUE SE DESTINA: OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO HOJE

As mudanças dos paradigmas da comunicação social são constituídas por temas complexos como a influência das redes sociais e das novas mídias, o desgaste do modelo tradicional do jornalismo e a disseminação das fake news que, aliada à atual intolerância política, têm inflado discursos de ódio e propagado a desinformação. Nesse contexto de transformações e desafios, traremos para o debate pessoas - e ideias - que resistem democraticamente através de projetos inovadores, mudando nossa concepção do que é fazer comunicação social nos dias atuais.

 

Convidados (sujeitos a alterações):

- Juliana de Faria: Fundadora da ONG ‘Think Olga’, que disponibiliza conteúdos de direitos das mulheres; criadora das campanhas ‘Chega de Fiu Fiu’ e ‘Meu Primeiro Assédio’, que tem como foco combater o assédio sexual; e uma das sócias da consultoria de comunicação ‘Think Eva’, que presta serviço com enfoque em questões de gênero.

 

- Natalia Viana: Co-diretora e co-fundadora da Pública, agência de jornalismo investigativo sem fins lucrativos que fornece, gratuitamente, conteúdo pautado pelo interesse público e ancorado na defesa dos direitos humanos. Natalia já venceu diversos prêmios como repórter e editora, entre eles o Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos (2005 e 2016) e o prêmio Comunique-se (2016/2017).

 

- Bruno Torturra: Foi um dos fundadores da Mídia Ninja e atualmente é editor-chefe do Greg News, programa apresentado por Gregório Duvivier na HBO. Também é editor do Fluxo, estúdio de experimentação na área de jornalismo, com produções de conteúdo e formato inovadores.

 

- Nátaly Neri: Fundadora e produtora do canal no YouTube ‘Afros e Afins’, no qual trata de temas ligados à questões político-sociais e cotidianas, feminismo, movimento negro, moda consciente e temas cotidiano, com mais de 440 mil inscritos; é graduanda em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Paulo.

 

- Breno Altman: jornalista, diretor editorial e fundador de Opera Mundi, veículo especializado em política internacional. O veículo traduz os acontecimentos globais, sem perder de vista a perspectiva brasileira e latino-americana sobre os fatos. Sempre comprometido com a defesa dos direitos humanos e a resistência democrática.

 

- Monique Evelle: Feminista, ativista do movimento negro e empreendedora. Com 24 anos, é criadora do projeto Desabafo Social, no qual utiliza a comunicação para discutir sobre a importância dos Direitos Humanos. Foi repórter do Profissão Repórter da Rede Globo e atualmente é colunista da HuffPost Brasil, que apresenta notícias e opiniões sobre política, economia, sociedade e entretenimento.

 

Mediação: Eduardo Nunomura - Professor de Jornalismo da Cásper Líbero, Editor da Revista Cásper, um dos fundadores dos Jornalistas Livres, crítico na Carta Capital e com passagem pelo Estadão.


É PROIBIDO PROIBIR: A ARTE NA DITADURA - SEMINÁRIO

O seminário terá como foco os movimentos de resistência artística na ditadura militar brasileira, procurando explorar o que foram os movimentos nas artes que tomaram conta do país nos anos de chumbo.

O evento ocorrerá no dia 19/09 (quinta-feira) às 14h, na Sala Aloysio Biondi.

 

Mediação/convidados:

- Jorge Paulino: professor de História da arte da Faculdade Cásper Líbero, mestre em Arquitetura e Urbanismo

 

- Alex Hilsenbeck: professor de Cultura Brasileira e Ciência Política na Faculdade Cásper Líbero, doutor em ciência política pela Unicamp

 

-     Camila Ribeiro: Estudante de arquitetura e coordenadora geral do Circuito Universitário de Cultura e Arte da União Nacional dos Estudantes (CUCA da UNE). É também presidente da Comissão de Comunicação do Conselho Nacional da Juventude (CONJUVE).


 AMAR E MUDAR AS COISAS: POR QUE LUTAMOS?

O evento tem a proposta de reunir ativistas que, cada um em seu modo, se dedicam à causas de interesse público.

Após o trágico episódio da morte de Marielle Franco e Anderson Gomes, em 14 de março de 2018, e diante do grande interesse e engajamento político demonstrado pelos alunos da Cásper Líbero com o caso, tornou-se imposta a necessidade de maiores discussões sobre a participação política da juventude em movimentos de luta e resistência.

O evento ocorrerá no dia 20/09 (quinta-feira) às 19h, no Teatro Cásper Líbero.

 

Convidados (sujeitos a alterações):

- Rodrigo Ratier - Ex-editor executivo da Revista Nova Escola, com passagens por publicações como  Superinteressante, Mundo Estranho e Galileu, ex-coordenador da área de comunicação e educação da ONG Repórter Brasil, co-fundador do Projeto Redigir e Professor da Faculdade Cásper Líbero.

 

- Michelle Prazeres -  Idealizadora de projetos como o Desacelera SP e o Mães Empreendedoras. Professora da Faculdade Cásper Líbero e autora de livros como “Um mundo de mídia: diálogos sobre comunicação e participação."

 

- Pedro Gorki: Presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES)

 

- Marianna Dias: Presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE)

 

- Maria das Neves: Coordenadora de juventude da União Brasileira de Mulheres (UBM), Membro do Conselho Nacional de Juventude (CONJUVE) e ex-diretora de jovens feministas da União da Juventude Socialista (UJS)

 

- Monica Tereza Benicio: Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela PUC-RJ, arquiteta urbanista do Instituto de Transporte Aéreo do Brasil e viúva de Marielle Franco.

 

- Viviane Duarte: Jornalista e Fundadora do Plano Feminino, plataforma de atuação com conteúdo, cursos e consultoria para marcas construindo diálogos que engajam, geram identificação e representatividade, sem objetificação e estereótipos. Também criou o Plano de Menina, que conecta meninas a conteúdos transformadores compartilhados por mulheres que estão fazendo acontecer.

Mediação: Centro Acadêmico Vladimir Herzog.


EU VEJO O FUTURO REPETIR O PASSADO: RODA DE CONVERSA COM ANTIGOS MEMBROS DO CAVH

O evento de encerramento da semana foi planejado para ser uma roda de conversa entre os alunos, o CAVH e antigos membros da entidade. Assim, memórias dos ex-casperianos serão compartilhadas com o atual corpo discente, aproximando as duas realidades.

 

O evento acontecerá no dia 21/09 (quinta-feira) às 18h, no Espaço Verve do 3º andar.

 

Mediação: Centro Acadêmico Vladimir Herzog

Público

Inscrições de Externos: Envie previamente um e-mail com seu nome completo e RG para [email protected]. Feito isto, aguarde a confirmação de sua inscrição.