Mesa 4 – Mídias e processos políticos – 7 de novembro

Quem dera ser um peixe: entre a tática e a estratégia
Leonardo Vasconcelos de Araújo – UFC

Resumo

Trabalhando com os conceitos de “tática” e de “estratégia” trazidos por Certeau, este artigo tenta situar a prática comunicativa do Quem dera ser um peixe (QDSP), tomando como hipótese que ela se encontra na fronteira entre as duas categorias. Para tanto, descreveremos tal práxis, enfocando os usos que o movimento faz das redes sociais, especialmente o Facebook. Além disso, baseado na Teoria da Mobilização Política, no conceito goffmaniano de frame e na proposta de Prudencio e Silva Jr. (2014) tentaremos compreender como se dá a comunicação do movimento com respeito a questões que elege como pauta.

Palavras-chave: Estratégia. Tática. Internet. Frame. Movimento Social.


Interação midiativista / audiência conectada: a experiência do streaming ao vivo como novo lugar do sujeito
Michele Lima – UERJ

Resumo

A experiência de cobertura midiativista realizada ao vivo, pela Internet, popularizada durante as chamadas “jornadas de junho” ocorridas no Brasil em 2013, abriram a “caixa-preta” do jornalismo tradicional ao trazer a tona controvérsias existentes entre as duas práticas comunicacionais, que podem ser caminhos para compreender a atual “crise” jornalística. Considerando a potencialização da interação entre emissor e receptor como ponto fundamental para contribuir com esse debate, este artigo propõe refletir alguns aspectos dessa característica das narrativas em rede, tendo como base a TAR.

Palavras-chave: Interação. Midiativista. Audiência Conectada. Streaming. Ator-Rede.


Diversidade no trabalho: valores organizacionais e adesão a normas em organizações participantes do fórum empresas e direitos LGBT
Ricardo Gonçalves de Sales – USP

Resumo

O objetivo deste artigo é verificar, entre participantes do Fórum Empresas e Direitos LGBT, se existe relação entre valores organizacionais e adesão às normas sugeridas pelo referido fórum. Foram comparadas organizações que assinaram ou não a carta 10 Compromissos da Empresa com a Promoção dos Direitos LGBT. Os resultados são analisados à luz das ideias de autores que estudam a cultura corporativa e os valores organizacionais. Concluímos que organizações que trazem a valorização da diversidade, seja de forma explícita ou implícita, em suas proposições de valores têm maior disposição a aderir às normas que deem significado àqueles ideais.

Palavras-chave: diversidade as organizações. LGBT no trabalho. Interculturalidade. Valores organizacionais.


Regimes de legitimação da vigilância contemporânea: modos de ver e vigiar na cultura midiática
Wilson Roberto Milani Bernardes – UFRJ

Resumo

O presente trabalho se dedica a analisar os atuais regimes de legitimação da vigilância e o modo como, atualmente, eles se relacionam com a cultura midiática e as redes e tecnologias de comunicação. Além disso, será realizada uma discussão em torno dos prolongamentos e, sobretudo, das descontinuidades encontradas nas máquinas de ver e vigiar moderna e contemporânea. Defende-se aqui, no rastro do pensamento de Bruno (2013), a perspectiva de que a vigilância tem se tornado uma prática distribuída e reticular, o que inviabilizaria a adoção de modelos explicativos centrados na imagem de uma hipertrofia distópica do Panóptico ou do Big Brother.

Palavras-chave: Vigilância contemporânea. Regimes de legitimação. Cultura midiática. Vigilância e visibilidade. Modos de ver e vigiar.