O professor (quase) “geek”

Por: Bianca Quartiero

Com 26 anos, Tiago da Mota possui uma trajetória típica de um filme de comédia romântica, aquele que termina com um “final feliz”. Chegou a pensar em prestar música na época do colegial, mas foi desestimulado e acabou ingressando no Jornalismo pelo fato de gostar de escrever. No primeiro ano da Cásper Líbero, ele se apaixonou pela pesquisa de comunicação durante as aulas de Teoria da Comunicação, ministradas pelo professor Jose Eugênio de Oliveira Menezes. Foi ali que aprendeu a gostar de estudar a fundo. Fez iniciação científica e desenvolveu um Trabalho de Conclusão de Curso. Decidido a continuar no meio acadêmico, fez mestrado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, sempre com o apoio acadêmico e incentivo pessoal do “mestre” José Eugênio. Em seus estudos, o tema recorrente foi o universo dos games e de como eles são uma expressão da cultura e também um ambiente de comunicação. Em recortes diversos, procurou analisar a relação desse universo de jogos com aspectos sociais.

Depois de 5 anos de formado, Tiago da Mota volta à Cásper, ministrando a disciplina de Teoria da Comunicação. O professor ciente da grande responsabilidade que possui afirma que o principal objetivo é cativar o alunos assim como foi cativado lá atrás nas aulas da graduação, coisa que certamente não terá dificuldade,devido à sua indiscutível paixão pela área.

O professor Tiago da Mota foi monitor editor da revista Esquinas no segundo ano de graduação, no terceiro já estava efetivado como editor-assistente na Editora Segmento, onde ficou um ano e saiu para se dedicar totalmente ao seu TCC. Depois de formado, em 2013, trabalhou na revista Sexy, de conteúdo adulto, como colunista de tecnologia. Ficou três anos e conseguiu consagrar a revista na área de tecnologia com um conteúdo até então inusitado para o veículo. Vai conciliar a docência na Cásper com o trabalho na editora Mymag, especializada em projetos customizados para empresas. “Atuo um pouco como o profissional de Relações Públicas. É uma tendência do mercado de comunicação, que os profissionais sejam cada vez mais multifuncionais.”

O professor foge de rótulos. Embora seja apaixonado pelo universo dos games, não se considera um “geek”. “Nunca entrei de cabeça em ser geek, porque eu acredito que isso atrapalha um pouco o trabalho do jornalista. Se você é um jornalista tem que saber se distanciar. É necessário realizar uma separação de Igreja e Estado.”

Tiago da Mota defende a ideia que o jornalismo está sofrendo grandes transformações. “Tenho uma certa esperança que já estamos olhando para o que, de repente, vai ser a nova configuração do mercado”, afirma, explicando que enxerga com muitos bons olhos, o poder que os coletivos de comunicação ganharam recentemente e a ideia de comunicação aliada com um propósito social.

O casperiano finaliza dando uma dica aos futuros ingressantes do mercado de trabalho de comunicação: “Meu conselho para os futuros profissionais de comunicação é estejam abertos a todas as possibilidades, estejam atentos a todos os setores”.