Keite Pacheco e sua história com Relações Públicas

Por: Marcela Schiavon, do Núcleo de Mídias Digitais

Das salas de aula a um cargo sênior, conheça Keite Pacheco

Keite e colegas em uma premiação | Foto: Arquivo pessoal

A casperiana Keite Pacheco de Carvalho se formou em Relações Públicas em 2009 e hoje é Analista de Marketing Sênior do Banco Itaú. Na escola, já gostava dá área de relações públicas, mas quando conheceu a Faculdade Cásper Líbero tomou a decisão de que esta era a área que queria seguir profissionalmente.

Marcela Schiavon: Por que você escolheu cursar Relações Públicas? No que a Cásper Líbero contribuiu para a sua formação?

Keite Pacheco: Desde muito pequena, sempre me identifiquei com o universo da Comunicação. Sabia que queria trabalhar nesta área, mas não tinha me decidido pelo curso. Quando estava no ensino médio, comecei a pesquisar opções de graduação e decidi que queria estudar na Cásper. O principal fator de escolha foi o reconhecimento e a relevância que a instituição tem no mercado. Também me apaixonei pelo clima vanguardista e inspirador da Avenida Paulista. Quando comecei a estudar sobre as opções de habilitação em Comunicação Social, uma palavra da descrição do curso de Relações Públicas me chamou atenção: reputação. Este sempre foi um tema interessante para mim e fiquei curiosa em entender como era possível fazer a gestão de um ativo tão intangível, mas ao mesmo tempo tão valioso, para as instituições. Passei a frequentar feiras estudantis, open houses e outros eventos da Faculdade para conhecer mais sobre a disciplina e não tive mais dúvidas da minha decisão.

A Cásper foi fundamental para a minha formação. A abordagem do curso é muito pragmática, com professores que atuam no mercado e que têm uma visão muito atual e contemporânea das disciplinas. Isso foi um diferencial para que eu entrasse muito cedo no mercado com boas oportunidades de estágio. Tudo o que eu aprendia em sala, conseguia colocar em prática na minha vida profissional.

MS: Como foi conquistar os prêmios Nacional de Relações Públicas e ABRP?

KP: Foi uma grande alegria ter nosso trabalho de conclusão de curso reconhecido por instituições tão importantes para a nossa profissão. Levamos o PEX (Projeto Experimental) com muita seriedade, mas não tínhamos como objetivo a inscrição em prêmios. Nossa intenção era entregar o nosso melhor. Fazer com o coração. Isto virou uma lição para mim: é recompensador saber que quando você se dedica com amor e afinco aos seus projetos, os frutos aparecem.

 

Keite e colegas recebendo o Prêmio Nacional de Relações Públicas | Foto: Arquivo pessoal

MS: Para você, qual é a importância de concorrer a prêmios ainda durante a Faculdade? Como você teve a ideia de participar do Prêmio ABRP?

KP: Os prêmios são um incentivo importante para estimular a criatividade e a qualidade dos trabalhos. Como disse, no início, não tínhamos a intenção de concorrer. Mas, ao longo do desenvolvimento do trabalho, os professores foram nos sinalizando sobre essa possibilidade e nos indicaram para inscrição.

MS: O que mais aprendeu com a sua formação no exterior, na Florida International University?

KP: Foi uma experiência enriquecedora estar num ambiente acadêmico americano. Os professores eram muito bem preparados e as dinâmicas de aula eram diferentes das do Brasil. Pude conhecer pontos de vista complementares sobre temas de Marketing e Administração. A principal disciplina do curso foi Gestão de Projetos e tivemos uma imersão bem completa no tema. Isso contribui para minhas atividade profissional até hoje.

MS: Como foi participar do evento Prata da Casa, no 1º Semestre de 2017, na Cásper?

Keite Pacheco e colegas de faculdade | Foto: Arquivo pessoal

KP: Estar de volta num ambiente tão importante para a minha vida mexeu com as minhas emoções. Fiquei muito feliz e grata em dividir um pouco da minha trajetória com a turma do primeiro ano. Pude relembrar os momentos difíceis e como aprendi com cada um deles. Repactuei meu compromisso e paixão pela profissão. E aprendi muito com os alunos sobre os desafios atuais da profissão e do curso.

MS: Quais são as suas dicas aos estudantes de Relações Públicas no Brasil?

KP: Em tempos de fluidez do mundo líquido em que vivemos, em que relações não são feitas para durar e que temos acesso a tanta informação e conteúdo – nem sempre verdadeiros – nunca foi tão necessário e vital tratarmos de identidade, imagem e reputação. Esse é um desafio cada vez mais complexo e precisamos estar preparados para lidar com esse cenário. Não tenho a pretenção de dar dicas de sucesso, mesmo porque, ainda estou me descobrindo a cada dia como profissional. Mas, acredito que fazer as coisas com amor, seriedade e ética é um bom caminho para trilhar.