Por novos produtores de conhecimento

Por: Guilherme Venaglia, do 2° ano de Jornalismo

Professora e pesquisadora, Roberta Brandalise busca formar profissionais que pensem e reflitam sobre a Comunicação

Roberta-Brandelise

Apaixonada por histórias e narrativas, Roberta Brandalise ingressou em 1997 no curso de Jornalismo da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), tendo acabado por se transferir, em 1999, para a Universidade Federal de Santa Maria. Na UFSM se graduaria em 2002 e chegaria até a iniciar uma não-concluída segunda graduação em Ciências Sociais. Catarinense que cresceu entre o estado natal e o Rio Grande do Sul, Brandalise fez em São Paulo, na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), a continuação de seus estudos, obtendo, por essa instituição, os títulos de mestre e doutora em Ciências da Comunicação.

O início da carreira acadêmica veio na avaliação final do seu trabalho de conclusão de curso da graduação. Roberta apresentou o projeto “Gaúchos e gauchos: um pampa, duas nações”, orientado pela Profa. Veneza Ronsini, quando recebeu, além da aprovação, o aconselhamento por parte dos integrantes da banca de que deveria prosseguir na carreira acadêmica. À época, ocupava uma posição promissora na carreira jornalística, como repórter na RBS, emissora de maior destaque na Região Sul do Brasil. Mesmo assim, a decisão de se dedicar à pesquisa veio junto com a aprovação para o programa de mestrado da ECA-USP.

Apesar da mudança para a capital paulista, a docente prosseguiu com suas pesquisas voltadas para as regiões de fronteira do extremo sul. Sua dissertação, defendida em 2006, teve como tema Comunicação e cultura: sementes híbridas em campos cercados na fronteira Brasil-Argentina, sob orientação da Profa. Solange Martins Couceiro de Lima. Brandalise mergulhou nos efeitos que a programação das emissoras de televisão brasileiras, em especial telenovelas como “A Casa das Sete Mulheres”, sintonizadas no território argentino próximo à fronteira entre as duas nações, provocavam na cultura, na linguagem e nos hábitos de consumo da população local.

No doutorado, aprofundou os estudos sobre o tema, expandindo essa pesquisa para as fronteiras com o Paraguai, em Ciudad Del Este-Foz do Iguaçu, e com o Uruguai, entre Santana do Livramento-Riveira. O resultado foi a tese A televisão brasileira nas fronteiras com o Paraguai, a Argentina e o Uruguai: um estudo sobre como as representações televisas participam da articulação das identidades culturais no cotidiano fronteiriço, novamente sob orientação da Profa. Couceiro de Lima, defendida em 2011. Além do enfoque já citado de pesquisa, a docente dedica seu interesse a outros temas, tais como “a Antropologia Visual e Cultural, a Sociologia da Cultura, a Educação e os Estudos Culturais Britânicos e Latino-Americanos no campo da Comunicação”.

Na Faculdade Cásper Líbero desde 2013, Roberta Brandalise leciona hoje na graduação as disciplinas Teoria da Comunicação, para os cursos de Publicidade e Propaganda e Rádio, TV e Internet, e História da Comunicação, para o curso de Jornalismo. Acredita ministrar aulas muito interligadas, pois “não existe Teoria da Comunicação sem História da Comunicação e sem Metodologia de Pesquisa; são disciplinas que não existem umas sem as outras”. Na pós-graduação, irá trabalhar no segundo semestre de 2015 com a disciplina Comunicação, Globalização e Cultura da Imagem, que abordará três temas muito latentes nas sociedades contemporâneas: a comunicação como um processo de vinculação, o crescimento da cultura da imagem e as relações entre o local e o global.

Em seu trabalho como docente, tanto na formação inicial quanto na especialização, busca preparar seus alunos para que sejam, eles mesmos, produtores, e não apenas reprodutores de conhecimento. Refletindo sobre a própria atuação e sobre o ambiente em sala de aula, acredita que é a pesquisa que faz um bom professor e que a escolha por estudar alguma habilitação dentro de Comunicação implica diretamente decidir pensar a Comunicação, refletir sobre os seus meios e os seus efeitos.

Com a história permeada por contatos multiculturais, histórias e trajetórias, a Profa. Roberta Brandalise se propõe a, na vida e em seu trabalho na comunidade casperiana, promover a empatia para com o diferente e formar novos pensadores e profissionais da Comunicação.