Ícone do título

Projetos Experimentais de Rádio, TV e Internet


Confira todas as informações sobre o TCC do curso de Rádio, TV e Internet.


1. Calendários











































































PARA ALUNOS(AS) DO 4º ANO DE RTVI
Data Etapa Documentos necessários Observações
14 fev. Início das orientações de TCC
28 fev. Prazo final para eventuais trocas de grupo de TCC
10 jun. Entrega da qualificação Encaminhar projeto para: [email protected] e [email protected]
24 jun. Divulgação dos resultados da qualificação Informativo enviado por e-mail
05 ago. Reapresentação dos projetos reprovados, reformulados Encaminhar projeto reformulado para: [email protected] e [email protected]
19 ago. Divulgação dos resultados dos projetos reformulados da qualificação Informativo enviado por e-mail
11 nov. Avaliação final dos projetos experimentais pelo(a) orientador(a) do TCC
31 out. a 11 nov. Entrega dos projetos experimentais (versão digital) 1. Formulário de agendamento de banca

2. Carta convite para avaliadores

3. Termo de publicação

4. Termo de autorização

5. Termo de autorização de reprodução

6. Termo de responsabilidade sobre autoria do material
Entrega do TCC e dos documentos da biblioteca (termo de publicação, termo de autorização e termo de autorização de reprodução) serão entregues na barra de “Tarefas” do Microsoft Teams
31 out a 07 nov. Agendamento das bancas Enviar formulário com a concordância do(a) orientador(a) para: [email protected] e [email protected]
21 nov. a 02 dez. Realização das bancas 1. Ata de defesa


2. Orientações para a banca

Salas organizadas pelo Centro de Eventos







































PARA ALUNOS(AS) DO 3º ANO DE RTVI
Data Etapa Documentos necessários Observações
12 out. Entrega das fichas de inscrição e dos pré-projetos para o TCC 2023 Ficha de inscrição de TCC Enviar a ficha de inscrição preenchida acompanhada do pré-projeto para: [email protected] e [email protected]
28 out. Divulgação dos projetos aprovados para 2023 Informativo via e-mail
11 nov. Reapresentação dos pré-projetos reprovados, reformulados Ficha de inscrição de TCC Encaminhar pré-projeto reformulado e ficha marcada como “segunda inscrição” para: [email protected] e [email protected]
18 nov. Divulgação dos resultados dos projetos reformulados Informativo via e-mail

IMPORTANTE: Após a entrega dos trabalhos, somente serão aceitas “erratas”, não sendo permitida qualquer modificação pela adição ou eliminação de páginas.



2. Sobre o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)


Os trabalhos de conclusão de curso (TCCs) do curso de Rádio, TV e Internet, aqui denominados por projetos experimentais, são desenvolvidos pelos alunos do 4º ano, com o objetivo de sintetizar o processo de aprendizagem no curso, realizando um trabalho que demonstre seu amadurecimento profissional e possa servir de portfólio em uma nova etapa de sua carreira, depois de graduados.


Tendo em foco as diferentes funções que o(a) graduado(a) poderá exercer no mercado profissional, estes projetos oferecem ao estudante a oportunidade de aperfeiçoar seus conhecimentos teóricos e técnicos em áreas específicas, levando em conta suas habilidades individuais. Dentro dos diferentes gêneros que podem ser desenvolvidos, há espaço para que os alunos exercitem as funções de roteiristas, produtores, diretores de imagem e/ou som, locutores, apresentadores, diretores e editores, coordenadores de distribuição e vendas, entre outros, além da atividade de pesquisa, para aqueles que escolherem o formato monográfico. É permitida a formação de grupos mistos com alunos do 4º ano de jornalismo.


O Projeto Experimental é também um espaço voltado para a criação e desenvolvimento de novos formatos para a indústria audiovisual, e para o aprimoramento dos formatos existentes, do ponto de vista técnico, de conteúdo e de linguagem.


3. Modalidades de projetos


Em todos os trabalhos, espera-se um rigor quanto à pesquisa, para que os produtos finais tenham profundidade de conteúdo e acabamento técnico adequado ao mercado profissional.


Os alunos poderão escolher o formato para desenvolver seus projetos, a partir das opções abaixo:






Pesquisa em padrão acadêmico escrita sobre tema diretamente relacionado às mídias audiovisuais: rádio, televisão, cinema, Internet, streaming e novas mídias surgidas da inovação tecnológica. Nessa categoria também são incluídos projetos de pesquisa de instalação de vídeo e/ou áudio, experiências e performances tecnológicas. As monografias devem seguir rigorosamente as normas acadêmicas de formatação e cultas de linguagem. Apesar de não ser exigida a originalidade de um trabalho de pós-graduação espera-se do(a) aluno(a) uma profundidade condizente com sua formação. Em virtude da natureza do curso, os projetos de monografia serão aceitos em caráter excepcional mediante justificativa prévia do(a) orientador(a), supervisor e coordenador do curso. A justificativa deve ser feita no campo 4 da ficha de inscrição de projeto experimental. Número de participantes: as monografias são rigorosamente individuais.






Desenvolvimento de roteiro de ficção, não ficção ou documentário para cinema, TV ou outras mídias. O gênero do roteiro é de livre escolha do estudante. No caso de propostas de roteiros de ficção seriada, deverá ser desenvolvido o texto de um ou dois episódios, além dos argumentos detalhados de uma temporada completa, de acordo com a estrutura narrativa do seriado bem como com a duração dos episódios. No caso de documentário, o roteiro deve conter pesquisa detalhada do tema, proposta de linguagem e um pré-roteiro com formato definido em conjunto com o(a) orientador(a). Número de participantes: 1 ou 2 alunos.






Projetos de criação estáticos ou em movimento em ambiente de rede: portais de conteúdo, sites, canais de vídeo, emissora web rádio, ambientes virtuais, redes sociais, games etc. Abre-se aqui a possibilidade de explorar as convergências de conteúdo e criação em mídias digitais e rede. Não são excluídas as pesquisas em ambientes mobile e ubíquos. Exige-se, neste caso, uma análise aprofundada dos meios e técnicas propostos pelo grupo bem como a proficiência nas tecnologias a serem utilizadas. O dimensionamento destes projetos cabe a um(a) professor(a) orientador(a) com conhecimento técnico adequado ao assunto. Serão aceitos apenas projetos com validação prévia dos orientadores. Número de participantes: mínimo 2, máximo 6, dimensionados de acordo com a complexidade do projeto e mediante aprovação prévia do(a) orientador(a).






Projetos de criação audiovisuais de cunho artístico/experimental: cinema experimental, vídeo-arte, rádio-arte, artemídia, instalações etc. O foco destes projetos é a linguagem estética e a pesquisa artística. Abre-se aqui a possibilidade para projetos que não necessitam do aparato de produções audiovisuais comerciais, seja por prescindir de formatações tradicionais de equipes técnicas, seja por focarem em processos de pós-produção e exploração das técnicas e poéticas das novas mídias. Aqui será exigido todo o rigor na pesquisa de linguagem: os projetos deverão ser acompanhados de um memorial descritivo focado nas técnicas e poéticas utilizadas, bem como uma discussão aprofundada do contexto histórico/artístico onde o projeto se encaixa. Serão aceitos apenas projetos com validação prévia dos orientadores. Número de participantes: mínimo 2, máximo 4 alunos.






Criação, roteirização, produção, gravação e finalização de um programa para rádio ou mídia digital com duração de 20 a 30 minutos, nos seguintes gêneros e seus híbridos: paisagem sonora, documentário, educativo, musical, esportivo, variedades ou dramaturgia. O programa também poderá ser desenvolvido em novos formatos e duração, a serem propostos pelos alunos, e sujeitos à aprovação do(a) orientador(a). Número de participantes: mínimo de 1 aluno, máximo de 3 alunos. A complexidade do projeto será levada em conta em relação ao número de integrantes.






Criação, roteirização, produção, gravação e finalização de um programa em linguagem televisiva ou cinematográfica para TV ou outras mídias audiovisuais, com duração de 20 a 25 minutos, nos seguintes gêneros e seus híbridos: documentário, educativo, musical, variedades, infanto-juvenil, reality show ou dramaturgia. O produto também poderá ser desenvolvido em outros gêneros e formatos com durações diferentes, a serem propostos pelos alunos, e sujeitos à aprovação do(a) orientador(a). Número de participantes: mínimo de 4 alunos, máximo de 8 alunos. A complexidade do projeto será levada em conta em relação ao número de integrantes.




Em todos os casos, contemplam-se tanto os projetos que desejem trabalhar os gêneros discriminados de modo isolado, quando aqueles pensados transmidiaticamente, nos quais dois ou mais dos formatos descritos são acionados para a criação de conteúdos independentes e complementares. Neste último caso, os alunos devem buscar atender às especificidades de cada formato necessário ao seu produto transmídia, mas têm a liberdade de, com anuência do(a) orientador(a), fazer as adaptações e proposições pertinentes à especificidade do seu TCC.


4. Inscrição dos projetos


Tendo em vista o limite máximo de horas destinadas à orientação dos trabalhos de conclusão de curso, pelo qual são pautados tanto o cronograma das orientações como a remuneração dos professores, o número de inscritos não poderá ultrapassar o de 30 projetos, servindo de critérios para a consolidação deste número não somente a ordem de inscrição como também a aprovação do pré-projeto.


As inscrições para o TCC são feitas no ano anterior à sua execução. Os alunos devem orientar-se pelo cronograma publicado anualmente pela Supervisão de Projetos Experimentais. Os pré-projetos devem ser encaminhados à coordenadoria de RTVI na data estipulada, no calendário, acompanhados da Ficha de Inscrição. Na ficha os alunos devem sugerir o nome de 3 (três) orientadores por ordem de preferência. A Supervisão de Projetos Experimentais fará o possível para atribuir o(a) orientador(a) escolhido(a) pelos alunos, caso não seja possível outro(a) orientador(a) será atribuído ao TCC. Além da Ficha de Inscrição, os pré-projetos devem conter:







Tamanho mínimo de 10 e máximo de 15 páginas contendo:



  • Título provisório do projeto

  • Nome do(a) aluno(a)

  • Introdução e delimitação do tema

  • Objetivos geral e específicos

  • Justificativa

  • Problematização e hipóteses

  • Procedimentos metodológicos

  • Cronograma de execução

  • Referencial teórico preliminar (revisão bibliográfica)

  • Referências bibliográficas específicas









Tamanho mínimo de 6 páginas e máximo de 15 páginas contendo:



  • Título provisório do projeto

  • Nome do(s) aluno(s)

  • Introdução e proposta dramática

  • Objetivos (geral e específicos)

  • Justificativa

  • Descrição das intenções do projeto do ponto de vista estético

  • Intenção de público-alvo

  • Storyline / Sinopse / Argumento

  • Previsão da quantidade de episódios (obra seriada)

  • Descrição dos personagens (em ficção) ou entrevistados (não ficção)

  • Delimitação de temas, no caso de documentário.

  • Cronograma de execução

  • Referências audiovisuais: descrição breve de três programas ou filmes, destacando pontos de interesse para o projeto

  • Referências bibliográficas









Tamanho mínimo de 6 páginas e máximo de 15 páginas contendo:



  • Título provisório do projeto

  • Nome dos alunos

  • Introdução e delimitação do tema

  • Objetivos (geral e específicos)

  • Justificativa

  • Proposta de formato

  • Descrição das intenções do projeto, do ponto de vista da(s) mídia(s) escolhida(s)

  • Descrição das intenções do projeto, do ponto de vista do público-alvo

  • Levantamento tecnológico (ferramentas e aplicativos)

  • Cronograma de execução

  • Referencial teórico preliminar (revisão bibliográfica)

  • Referências de mídia: descrição breve de três sites/mídias/portais destacando pontos de confluência com o projeto proposto

  • Referências bibliográficas









Tamanho mínimo de 6 páginas e máximo de 15 páginas contendo:



  • Título provisório do projeto

  • Nome dos alunos

  • Introdução e delimitação do tema

  • Objetivos (geral e específicos)

  • Justificativa

  • Proposta de forma

  • Análise da linguagem proposta

  • Descrição das intenções do projeto do ponto de vista estético

  • Proposta de divulgação: meios e estratégias

  • Cronograma de execução

  • Referencial teórico preliminar (revisão bibliográfica)

  • Referências audiovisuais: descrição breve de três obras, destacando sua relevância estética para o projeto

  • Referências bibliográficas









Tamanho mínimo de 6 páginas e máximo de 15 páginas contendo:



  • Título provisório do projeto

  • Nome dos alunos

  • Introdução e delimitação do tema

  • Objetivos (geral e específicos) e justificativa

  • Proposta de formato

  • Descrição das intenções do projeto, do ponto de vista da linguagem a ser aplicada e do ponto de vista do público-alvo

  • Logline ou sinopse

  • Referências audiovisuais: descrição breve de três programas de rádio e/ou vídeo, destacando pontos de interesse para o projeto

  • Referências bibliográficas






Observação: Para o auxílio à pesquisa, durante o período da quarentena, a Biblioteca Prof. José Geraldo Vieira disponibiliza o acesso on-line à Biblioteca Digital da Cengage, as bases Academic Search Ultimate, Regional Business News e Business Source Ultimate, além da PressReader, uma base com mais de 7.000 publicações nacionais e internacionais (jornais e revistas) em uma única plataforma interativa.


5. Cronograma de gravações e edição


Para equilibrar a disponibilidade de equipamentos e estúdios entre todos os alunos, cada projeto experimental terá um máximo de 8 (oito) diárias de gravação. Dentro desse limite, a quantidade de diárias será definida pela Supervisão de Projetos Experimentais junto ao orientador de cada grupo, conforme a complexidade do projeto. Os projetos também terão uma cota máxima de horas de edição, igualmente definida pela Supervisão de Projetos Experimentais junto à orientação de cada grupo, conforme a complexidade do projeto. Só serão autorizados a digitalizar o material para edição os grupos que apresentarem a decupagem completa. É responsabilidade dos alunos o agendamento dos recursos técnicos para realização dos projetos, dentro dos prazos definidos neste regulamento.


6. Qualificação


Na semana de entrega da qualificação, o(a) aluno(a) ou um integrante do grupo envia o trabalho por e-mail à Supervisão de Projetos Experimentais, copiando a Coordenadoria do curso ([email protected] e [email protected]). Cada projeto é avaliado por um docente que não tenha ligação direta com o TCC analisado. Esse(a) professor(a) irá redigir um parecer sobre o trabalho, conforme o formulário de qualificação. Os pareceres devem levar em conta dois parâmetros:


a) se o projeto apresenta todo o material solicitado no regulamento;

b) se o material apresenta qualidade suficiente para esta etapa de desenvolvimento, levando em conta a pesquisa realizada, a coerência e a originalidade da proposta, e a adequação de seu desenvolvimento.


A partir do parecer, os projetos serão aprovados ou não aprovados. Os trabalhos reprovados deverão incluir as alterações pedidas pelo avaliador. A reapresentação da qualificação, em segunda instância, ocorrerá na data estipulada no edital, normalmente na primeira semana de agosto. Os projetos de qualificação reapresentados serão avaliados por uma comissão de 3 (três) professores(as), composta pelo qualificador original, o supervisor de projetos experimentais e o coordenador do curso. Se as alterações forem consideradas novamente insuficientes, os trabalhos serão interrompidos, implicando em dependência na disciplina.


Pede-se especial atenção ao cumprimento das datas de entrega das qualificações. A avaliação do qualificador é enviada por e-mail à Supervisão de Projetos Experimentais, que redirecionará uma cópia do relatório de qualificação ao orientador do trabalho. É obrigação do(a) orientador(a) transmitir os pareceres do qualificador a seus orientados antes do final do primeiro semestre.







Entregar uma via digital do projeto, contendo título do trabalho, nome do(s) aluno(s) e do(a) orientador(a), e o seguinte conteúdo:



  • Projeto original revisado

  • Texto/capítulo (amostra) desenvolvido de aproximadamente 30.000 caracteres

  • Descrição da bibliografia utilizada, destacando os principais pontos de cada obra utilizada como referência









Entregar uma via digital do projeto, contendo título do trabalho, nome do(s) aluno(s) e do(a) orientador(a), e o seguinte conteúdo:



  • Projeto original revisado

  • Descrição do tema

  • Storyline / Sinopse (se for produto seriado, acrescentar a sinopse simplificada dos episódios da temporada)

  • Argumento

  • Escaleta completa com mínimo de 05 e máximo de 20 páginas, dependendo do formato

  • Previsão da quantidade de episódios (obra seriada)

  • Divisão dos arcos dramáticos para a temporada (divisão por episódios)

  • Descrição dos personagens (ficção)

  • Roteiro formatado com um mínimo de 10 e máximo de 40 páginas, dependendo do formato audiovisual


No caso de documentário, apresentar:



  • Argumento desenvolvido (05 a 15 páginas)

  • Descrição revisada dos temas

  • Pesquisa detalhada (20 a 45 páginas)

  • Lista de possíveis entrevistados









Entregar uma via digital do projeto, contendo título do trabalho, nome dos alunos e do(a) orientador(a), e o seguinte conteúdo:



  • Introdução

  • Objetivos geral e específicos

  • Justificativa

  • Referencial teórico, incluindo análise de mídias similares

  • Levantamento tecnológico

  • Mapa e arquitetura da informação

  • Proposta comercial e público-alvo

  • Boneco completo ou pré-design de acordo com o andamento do projeto

  • Cronograma de realização geral de acordo com o andamento do projeto









Entregar uma via digital do projeto, contendo título do trabalho, nome dos alunos e do(a) orientador(a), e o seguinte conteúdo:



  • Introdução

  • Objetivos geral e específicos

  • Justificativa

  • Referencial teórico

  • Incluindo literatura e influências audiovisuais

  • Proposta comercial/mercadológica

  • Público-Alvo

  • Roteiro completo ou pré-edição de acordo com o andamento do projeto

  • Cronograma de realização geral de acordo com o andamento do projeto









Entregar uma via digital e uma via física do projeto, contendo título do trabalho, nome dos alunos e do(a) orientador(a), e o seguinte conteúdo:



  • Introdução

  • Objetivos

  • Justificativa

  • Referencial teórico e influências audiovisuais

  • Proposta comercial e público-alvo

  • Primeiro tratamento do roteiro

  • Pré-edição de acordo com o andamento do projeto

  • Cronograma de realização geral de acordo com o andamento do projeto

  • Relatório das gravações já feitas e cronograma das gravações futuras






7. Sobre a entrega do trabalho final


Os projetos experimentais (escritos, sonoros e audiovisuais) devem ser disponibilizados aos avaliadores em formato digital. Quando houver um produto de áudio ou vídeo, o material pode disponibilizado por canal no YouTube ou link de acesso (Drive, WeTransfer, Dropbox etc.) que permita gerar um arquivo compartilhável (com permissão de download). As cópias dos trabalhos devem ser distribuídas da seguinte forma:



  • 1 Cópia digital para a Supervisão de Projetos Experimentais e para a Biblioteca – os arquivos devem ser entregues por um(a) único(a) aluno(a) que ficará responsável pelo upload de todos os arquivos na barra de TAREFAS do Microsoft Teams.

  • 1 Cópia digital para o(a) convidado(a) externo(a) – a ser entregue diretamente pelo(s) aluno(s).

  • 1 Cópia digital para o(a) convidado(a) interno(a) – a ser entregue diretamente pelo(s) aluno(s).

  • 1 Cópia digital para o(a) orientador(a) – a ser entregue diretamente pelo(s) aluno(s).


As exigências de formatos da biblioteca são:



  • Texto em PDF;

  • Vídeos em MP4, compressão h264 na resolução de 1280x720p;

  • Áudio em MP3 ou WAV.


Juntamente com os arquivos de TCC, devem ser entregues preenchidos, DATADOS e ASSINADOS por cada aluno(a):



  • Termo de Publicação

  • Termo de Autorização

  • Autorização de Reprodução


A ficha catalográfica deve ser impressa no verso da folha de rosto, na metade inferior da folha, centralizada em relação às margens esquerda e direita, contida num retângulo de aproximadamente 12,5 x 7,5 cm. A ficha catalográfica é elaborada por um bibliotecário. Para solicitar a sua, entre em contato com a biblioteca.


A revisão ortográfica e gramatical do projeto final é de responsabilidade dos alunos, e será levada em conta pela banca. A biblioteca disponibiliza o “Guia para normalização de trabalhos acadêmicos”, de acordo com as normas da ABNT: https://casperlibero.edu.br/biblioteca/normas-abnt/.


8. Estrutura do trabalho acadêmico


O trabalho escrito final deve respeitar as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e conter os elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais, como mostra a figura a seguir:



Figura 01 – Estrutura de um trabalho científico. Fonte: PINHEIRO et al., 2007.


ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS


I. Capa (obrigatório);

II. Lombada (opcional);

III. Folha de rosto (obrigatório);

IV. Ficha catalográfica (obrigatório – feita pela biblioteca);

V. Errata (opcional);

VI. Folha de aprovação (obrigatório);

VII. Dedicatória(s) (opcional);

VIII. Agradecimento(s) (opcional);

IX. Epígrafe (opcional);

X. Resumo na língua portuguesa (obrigatório);

XI. Resumo em língua estrangeira (obrigatório);

XII. Palavras-chave (obrigatório);

XIII. Lista de ilustração (opcional);

XIV. Lista de tabelas (opcional);

XV. Lista de abreviaturas e siglas (opcional);

XVI. Lista de símbolos (opcional);

XVII. Sumário (obrigatório).


Para maior detalhamento acesse o “Guia para normalização de trabalhos acadêmicos” no Teams Microsoft ou na página da biblioteca


ELEMENTOS TEXTUAIS


I. Introdução (contendo o tema, a justificativa, os objetivos e a metodologia);

II. Desenvolvimento;

III. Considerações finais.


ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS


I. Referências (obrigatório);

II. Glossário (opcional);

III. Apêndice (opcional);

IV. Anexos (opcional);

V. Índice (opcional).


A estrutura textual do trabalho acadêmico é composta por três partes:


a) Introdução: parte inicial do texto, onde devem constar a delimitação do assunto tratado, a justificativa, os objetivos da pesquisa, a metodologia e outros elementos necessários para situar o tema do trabalho.


b) Desenvolvimento: parte principal do texto, constitui o núcleo do trabalho, e pode conter quantos capítulos e subcapítulos o(a) autor(a) achar necessário. A exposição do assunto deve ser ordenada e pormenorizada. dividida em seções e subseções, que vão variar em função da abordagem do tema e do método.


c) Considerações finais: parte final do texto, o(a) aluno(a) apresenta resultados sobre a pesquisa desenvolvida (os objetivos e as hipóteses). As considerações finais, e o resumo, não devem conter citações.


O desenvolvimento do texto deve conter um memorial descritivo com uma reflexão crítica a respeito da execução do trabalho, sob o ponto de vista de cada aluno(a), reunindo e consolidando suas experiências pessoais com os diversos conteúdos estudados e as situações encontradas ao longo do processo. Dessa forma, os(as) avaliadores(as) convidados(a) poderão ter uma ideia do contexto no qual o trabalho está inserido e do qual é decorrente.


O texto do memorial descritivo deve ressaltar as fontes e as marcas das influências sofridas, das trocas realizadas com outras pessoas ou com as situações culturais. Deve também destacar os próprios posicionamentos, teóricos ou práticos, que foram sendo assumidos a cada momento, assim como o redirecionamento de algum ponto do projeto, acompanhado por sua justificativa. Desse ponto de vista, o memorial deve expressar a evolução que caracteriza a história particular do trabalho. Além do memorial descritivo, o desenvolvimento do trabalho acadêmico deve abranger os temas a seguir:








  • Desenvolvimento do texto no formato ABNT, na norma culta, e com no mínimo 90.000 caracteres, sem incluir os elementos pós-textuais, como os apêndices, anexos e referências










  • Introdução e proposta do dramática

  • Sinopse

  • Argumento

  • Escaleta

  • Lista de personagens

  • Arcos dramáticos (obra seriada)

  • Roteiro revisado e formatado (30 a 100 páginas, dependendo do formato audiovisual)

  • Proposta de veiculação e público-alvo

  • Descrição do processo de criação e realização (memorial descritivo), de 10 a 20 páginas










  • Descrição detalhada do produto

  • Referencial teórico incluindo influências de projetos similares

  • Descrição das tecnologias utilizadas

  • Arquitetura da informação / mapa de navegação

  • Descrição do processo de criação e realização (memorial descritivo)

  • Projeto comercial contendo justificativa comercial, público-alvo e proposta de veiculação










  • Referencial teórico incluindo literatura e influências audiovisuais

  • Detalhamento do formato e da proposta artística

  • Materiais e métodos

  • Roteiro final e/ou descrição detalhada do produto

  • Descrição do processo de criação e realização (memorial descritivo)

  • Proposta de divulgação: meios e estratégias










  • Referencial teórico

  • Sinopse do programa (no caso de programa seriado, acrescentar sinopses da temporada)

  • Descrição do(s) produto(s) de áudio e/ou vídeo

  • Literatura e influências audiovisuais

  • Descrição da direção de arte e da fotografia

  • Descrição do áudio/trilha

  • Descrição da edição e pós-produção

  • Relatório do processo de criação e realização (memorial descritivo)

  • Lista de personagens/entrevistados (dependendo do gênero)

  • Espelho ou escaleta

  • Roteiro fina

  • Storyboard (opcional)

  • Cronograma e ordens do dia

  • Orçamento ideal do projeto e planilha de gastos durante a realização do TCC

  • Projeto comercial

  • Público-alvo

  • Proposta de veiculação

  • Considerações finais

  • Autorizações de uso de imagem e som / contratos diversos

  • Referências bibliográficas


Obs.: O arquivo de áudio ou vídeo deve conter na claquete de identificação ou nos créditos finais as seguintes informações:



  • Título do trabalho

  • Nome dos alunos e respectivas turmas

  • Nome do(a) orientador(a)

  • Nome do curso e da faculdade

  • Ano






IMPORTANTE:


a) As principais atividades do processo de produção dos produtos audiovisuais, que estejam presentes na grade do curso, não poderão ser terceirizadas (realizadas por não integrantes do grupo).

b) Após a entrega dos trabalhos, somente serão aceitas indicações de “erratas”, não sendo permitida qualquer modificação pela adição ou eliminação de páginas.

c) A cada 1 dia (um dia) de atraso será descontado 0,5 ponto (ou caso falte algum item do trabalho, conforme este regimento). Limite máximo para atraso: 02 dias.

d) Trabalhos entregues fora do prazo ou por outros canais, diferentes do processo estabelecido, não serão considerados aceitos e estarão automaticamente reprovados.


9. Agendamento da banca de avaliação


O agendamento da banca será feito por e-mail para a Supervisão de Projetos Experimentais ([email protected] e [email protected]), por ordem de inscrição. O(A) orientador(a) deve enviar o “formulário de marcação de banca” preenchido com o nome do(a) professor(a) convidado(a) e os dados do(a) convidado(a) externo(a): nome completo, titulação ou profissão, e-mail e celular dos convidados. Também deve apontar o dia e horário da defesa, conforme cronograma enviado pela Supervisão de Projetos Experimentais. O formulário de agendamento só é valido se tiver devidamente preenchido e com a assinatura digital do(a) orientador(a).


A marcação da banca não é garantia de que o trabalho irá para avaliação pública, pois o(a) orientador(a) tem autoridade para avaliar se o trabalho pode seguir ou não para a banca.


Caso o(a) professor(a) orientador(a) não recomende o TCC para a banca examinadora, este deverá justificar as razões, no dia previsto para a entrega definitiva dos trabalhos, para a Supervisão de Projetos Experimentais. Na ocorrência deste fato, o grupo ou aluno(a) estará automaticamente REPROVADO(A), sem a necessidade de arguição por parte da banca examinadora.


10. Banca final de avaliação


As defesas de banca costumam acontecer na última semana de novembro e na primeira semana de dezembro. A data e o horário da banca são agendados com a Supervisão de Projetos Experimentais. O local da banca será determinado pelo Centro de Eventos, conforme a disponibilidade de salas. Dependendo da situação pandêmica do novo Coronavírus poderá haver um número limitado de pessoas por local.


IMPORTANTE: de acordo com as fases do Plano São Paulo e dos números de casos de Covid-19, a Faculdade Cásper Líbero se reserva no direito de realizar as bancas dos trabalhos de conclusão de curso de modo telepresencial via plataforma Microsoft Teams, caso seja necessário, a fim de manter a segurança dos estudantes, familiares e funcionários.


10.1 Formação da banca


As bancas de avaliação final devem ser compostas pelo(a) orientador(a) do projeto (exercendo a função de Presidente da Banca Examinadora), por um(a) professor(a) da faculdade e um profissional de reconhecida competência na área do projeto e externo à Faculdade Cásper Líbero. Tanto o(a) professor(a) da casa, quanto o(a) convidado(a) externo(a), deverão receber, junto com sua cópia do trabalho, a carta convite, contendo os critérios de avaliação para os trabalhos interdisciplinares.


As escolhas deverão seguir os seguintes critérios:



  • A aprovação dos nomes dos integrantes das bancas é de responsabilidade do(a) professor(a) orientador(a).

  • Como convidado(a) interno(a) deve-se convidar o(a) professor(a) responsável pelo exame de qualificação. Na impossibilidade de agenda, sugere-se um nome em acordo com o(a) orientador(a).

  • A indicação do profissional externo está sujeita à aprovação da Supervisão de Projetos Experimentais e da Coordenadoria de Rádio, TV e Internet, visando à capacidade e à imparcialidade na avaliação. O convite do profissional estará sob responsabilidade dos alunos. O profissional deve ter, como titulação mínima, diploma de graduação em qualquer área. Não precisa ser acadêmico ou pesquisador.

  • No caso de monografias, o(a) professor(a) externo(a) deverá ter titulação mínima de mestre e estar ligado(a) à pesquisa acadêmica e/ou lecionando em instituição superior de ensino devidamente reconhecida.

  • O critério de indicação dos nomes dos convidados que irão compor as bancas deve seguir princípios éticos que evitem conflitos de interesse.

  • Não serão aceitos convidados que tenham grau de parentesco com o aluno ou o orientador, relações profissionais com os estudantes, envolvimento direto com o trabalho (como fontes ou personagens), interesses comerciais no projeto ou qualquer outra relação que possa comprometer o rigor da avaliação.


É de responsabilidade dos alunos também a entrega da cópia digital do trabalho ao(à) profissional convidado(a), lembrando-se que:



  • Todas as cópias entregues devem possuir todos os elementos que constituem o trabalho (parte escrita, arquivos de áudio ou vídeo etc.). Não será permitida entrega parcial ou condicional.

  • O respeito aos prazos estipulados pela coordenadoria é mandatório, sem exceções.


Toda a comunicação com os avaliadores da banca é de responsabilidade dos alunos.


Durante as bancas, cada avaliador receberá uma ficha com os parâmetros a serem levados em conta na avaliação dos projetos. Ao final da apresentação e dos comentários, a banca se reunirá em sigilo para deliberação da nota. O trabalho será comentado em conjunto pelos convidados e pelo(a) professor(a) orientador(a).


A banca atribuirá uma nota de 0 a 10. Ela será resultado da média entre as notas do(a) presidente e de cada convidado. Ao final do rito, o(a) presidente da banca deverá anunciar se o TCC foi “aprovado” ou “reprovado”. Fica a critério do presidente anunciar a nota decidida pela banca.


É imprescindível a presença de todos os integrantes do grupo durante a defesa. Na impossibilidade de comparecimento de algum(a) aluno(a), a banca deverá ser previamente remarcada. O não comparecimento no dia da banca implica na reprovação automática do(a) aluno(a) salvo os casos que se enquadrem no Regime Especial (RE) previstos pelo Manual do Aluno.


A Cásper Líbero não remunera os convidados; mas sim, oferece um certificado de participação. Sugere-se conversar antecipadamente com seu orientador sobre a composição da banca.


10.2 Duração da apresentação


As bancas serão iniciadas com a exibição integral ou parcial (entre 20 e 30 minutos) do produto de áudio ou vídeo. Em seguida, o(a) aluno(a) ou grupo terá 15 minutos para a apresentação oral de seu projeto (no caso de monografia ou roteiro serão 30 minutos para a apresentação oral). Os membros da banca terão 15 minutos cada para fazer seus comentários ao trabalho. Reservam-se ainda de 5 a 15 minutos para perguntas da banca e argumentações finais dos alunos. A deliberação da nota e o encerramento terão duração de 10 minutos. Mesmo nos casos em que a apresentação se prolongue além do tempo previsto inicialmente, a sessão deverá ser encerrada impreterivelmente com 1 hora e 50 minutos de sessão.


10.3 Notas finais


Cada integrante da banca atribuirá uma nota de 0 a 10, a nota final será a média aritmética simples das três notas, arredondada para o meio ponto mais próximo, de acordo com a norma ABNT NBR 5891.


As decisões da banca são soberanas e inquestionáveis.


Após a realização da banca, é facultado ao aluno(a) ou grupo o direito de entregar, até o último dia letivo, um novo arquivo com uma versão do trabalho incorporando as correções e observações da banca no volume final. Neste caso, o arquivo deve ser enviado para a Supervisão de Projetos Experimentais, cópia para a Coordenadoria do curso ([email protected] e [email protected]).


11. Atribuições e responsabilidades


11.1 Supervisão de Projetos Experimentais


A Supervisão de Projetos Experimentais é conduzida por um(a) professor(a) da faculdade designado(a) para esta função pela coordenadoria do curso de Rádio, TV e Internet.


Cabe ao supervisor a organização das atividades ligadas aos projetos, e a fiscalização quanto ao cumprimento dos prazos e do regulamento.


O supervisor receberá o material preparado pelos alunos em todas as etapas de desenvolvimento dos projetos (inscrição, qualificação e banca de avaliação final), e organizará o calendário das bancas de avaliação final.


Cabe ao supervisor também a orientação sobre dúvidas que alunos e professores(as) orientadores(as) tenham durante o desenvolvimento dos projetos, em horário para atendimento definido na primeira semana do ano letivo.


11.2 Orientadores


A definição dos orientadores de projetos experimentais será realizada no final do 3º ano letivo, conforme indicação dos alunos. Para uma melhor escolha, os alunos devem priorizar a afinidade das áreas de atuação do(a) orientador(a) com o projeto proposto.


Todos(as) os(as) professores(as) do curso de Rádio, TV e Internet, de qualquer ano e qualquer disciplina (incluindo Cultura Geral), podem orientar projetos. Os convites de orientação podem ser feitos pessoalmente ou por e-mail encaminhado à coordenadoria. Em nenhuma hipótese orientadores externos ao curso serão indicados.


Os TCC mistos, com alunos dos cursos de RTVI e Jornalismo, estão oficializados. Neste caso sugere-se optar preferencialmente por um(a) professor(a) orientador(a) que lecione em ambos os cursos. Os TCCs mistos deverão seguir o regulamento estabelecido pelo curso em questão. Ou seja, se o Projeto Experimental misto for inscrito no curso de Jornalismo, os alunos de RTVI deverão seguir as normas e o calendário de Jornalismo.


Os alunos devem estar atentos aos horários disponíveis de cada professor(a) para orientação e devem, portanto, se adequar a esses horários. Em grupos mistos, com alunos do período matutino e noturno, os alunos devem respeitar o horário de orientação determinado pelo(a) professor(a). Em casos de incompatibilidade, a situação deve ser definida em acordo entre o(a) orientador(a) e o coordenador de projetos.


Após sua escolha, os alunos devem entregar ao supervisor de projetos experimentais seus pedidos de orientação, indicando primeira, segunda e terceira opções para professor(a) orientador(a).


A atribuição dos projetos para cada orientador será realizada pela Comissão de Projetos Experimentais, buscando atender ao interesse dos alunos, mas respeitando um equilíbrio na divisão dos projetos entre os professores(as) disponíveis. Após essa divisão, serão estabelecidos os horários definitivos de orientação na grade horária do curso, entre os meses de março e abril.


O(A) orientador(a) é responsável pelo bom andamento do trabalho dos alunos bem como pelos cumprimentos dos horários e das datas limite do TCC.


As orientações ocorrerão semanalmente em horários predeterminados. A não assiduidade nas orientações e o descumprimento de datas e entregas de etapa pode desqualificar o(s) aluno(s) do TCC. Esta decisão cabe ao orientador.


As entregas de qualificação e projeto final só ocorrem mediante o aval do(a) orientador(a). O(A) professor(a) orientador(a) poderá reprovar o trabalho caso avalie, justificadamente, que não há qualidade para sua apresentação em banca pública.


11.3 Comissão de Projetos Experimentais


A Comissão é responsável pela avaliação dos projetos na etapa da qualificação. Cabe à Comissão a decisão sobre questões não previstas nesse regulamento. A Comissão será formada pelo coordenador do curso de Rádio, TV e Internet, pelo supervisor de projetos experimentais, e pelos(as) professores(as) orientadores(as).


O supervisor de projetos experimentais poderá convocar a Comissão para reuniões de definição e organização sempre que julgar necessário.