Ética legitima

Por: Alana Claro, 2º ano de Jornalismo

Crédito: Beatriz Vecchi

Crédito: Beatriz Vecchi

Em parceria com o Instituto Brasileiro de Ética nos Negócios, a Faculdade Cásper Líbero sediou na última terça-feira, dia 28 de setembro, a palestra “Ética no dia-a-dia” para os alunos do terceiro ano de Relações Públicas do período noturno. Entre os convidados estavam Luis Gonçalves, CEO (Chief Executive Operator) da Dell e Douglas Linares, presidente do IBREM.

O evento teve a abertura da professora Agatha Paraventi de Relações Públicas e do diretor da Faculdade, Carlos Costa. Ambos atentaram para a importância do tema na atualidade e como muitas vezes a falta de uma conduta correta se reflete em desânimo, perda de credibilidade e, sobretudo, perda de espaço no mercado. Na sequência, Douglas Linares comentou sobre um dos projetos do IBREM, o “Ética no dia-a-dia”, que busca levar às faculdades diretores de grandes empresas para discutirem a questão da ética em sua trajetória profissional e cotidiana.

Luís Gonçalves, atual CEO da Dell, discursou e comentou sobre casos emblemáticos, entre eles, a recente polêmica da Volkswagen, e o exemplo clássico do Wal-Mart no México. Segundo ele, “a ética não se conquista, é um esforço contínuo que depende de todos nós. Quando se faz o certo individual, também estamos zelando pelo coletivo”.

O executivo, que começou a trabalhar aos 18 anos e morou em três países, apresentou os desafios de tornar a ética empresarial algo orgânico e cultural dentro de uma empresa, em especial quando há uma competividade tão grande como acontece na Dell. Retomando alguns conceitos teóricos, ele abordou a pirâmide da fraude, que se resume a uma pressão para ser bem-sucedido, atrelado à oportunidade e uma justificativa. Além disso, Luís Gonçalves contou sobre a “Teoria das Janelas Quebradas” de James Wilson e George Keling, fundamentada na ideia de que ao ver/trabalhar em um lugar sujo, o individuo é compelido ou se sente confortável em sujar também, enquanto que num ambiente limpo, haverá um conflito diante do ato de sujar.

Para tanto, a Dell, classificada em 7º lugar como um Great Place to Work utiliza de algumas égides para se firmar como empresa ética. Dentro da empresa de tecnologia são criados grupos de afinidades/discussão – entre eles o True Ability para pessoas com deficiência e o Pride sobre diversidade de gênero -, bem como um comitê de ética e um grupo de verificação de denúncias. Mas, Gonçalves acrescenta que “A inspiração também é necessária, precisamos mostrar que nos importamos, seja com as questões internas dos funcionários, com o meio ambiente, com nossos fornecedores… Só assim conseguimos um engajamento e podemos integrar as equipes”.

Concluindo a discussão, Douglas Linares contou como surgiu o Instituto Brasileiro de Ética nos Negócios após ter sofrido uma demissão injusta por delatar um colega que exercia atividades corruptas. O IBREM, fundado em 2003, se pauta no fomento do debate sobre a ética no mundo empresarial e universitário, colaborando para a criação de indicadores de ética não só no Brasil, mas em toda a América Latina. Linares afirmou que o diálogo sobre a ética é difícil por ser um tema muito dual, com apenas sim ou não, apesar de muitos tentarem enxergar diversas áreas cinzentas. No entanto, em sua visão, a ética é responsabilidade, compliance e sustentabilidade.