No ritmo da Cásper

Por: Julya Vendite e Marcela Schiavon, do Núcleo de Mídias Digitais

Bateria casperiana se apresenta na Recepção aos Calouros

Bateria casperiana (2017) | Foto: Divulgação

 

Está chegando a hora! Amanhã começa a programação de recepção aos calouros, com uma comemoração no escadão da Cásper e a tão aguardada apresentação da Bateria, composta por alunos e alunas da Faculdade.

Para entrar no ritmo, conheça casperianos e casperianas que estão na Bateria ou já foram ritmistas. Confira também letras de algumas músicas e prepare-se para cantar!

 

Isabella Zacharias | Foto: Divulgação

“Eu sou a Bella, toco na Bateria da Cásper desde 2016. A Bateria foi onde eu encontrei os meus melhores amigos dentro da Cásper. Na minha opinião é a melhor forma de sentir o amor casperiano porque você vê todo mundo pulando ao som da sua música, nas festas e no JUCA. Eu toco agogô, que é um instrumento melódico, e a função dele é “passear” por cima do ritmo da bateria, fazendo desenhos diferentes de acordo com os sinos.”.

Isabella Zacharias – Toca Agogô – 3º ano de Jornalismo

Caio Shimizu | Foto: Divulgação

“Quando entrei na Cásper, em 2014, eu me vi em um ambiente completamente novo e me senti um pouco deslocado. Resolvi, então, procurar algo fora das salas de aula. Nunca fui bom em esportes e sempre fui interessado em música. Procurei a Bateria da Cásper e lá eu me encontrei! Desde os meus primeiros ensaios até hoje, as minhas amizades de graduação foram feitas na batucada, e é segurando um instrumento que o significado de casperiano faz sentido.”.

Caio Shimizu – Toca Tamborim – Formou-se em Jornalismo em 2017

Guilherme Rodrigues | Foto: Divulgação

“Eu me chamo Guilherme Rodrigues, para alguns Gui Palmares. Estou indo para o meu 4º ano de bateria, o 1º tocando surdo de terceira. A BCL, sem dúvidas, foi onde me encontrei na faculdade, foi onde ganhei realmente uma família! Além disso, descobri que tocar um samba pode ser uma das coisas mais relaxantes da vida. Toquei surdo de marcação durante 3 anos, onde pude ganhar até um título para a Bateria. Porém, atualmente, toco terceira, uma vontade antiga minha. Para mim, a BCL e o surdo de terceira, são algumas das coisas mais importantes que tenho, e me orgulho muito disso!”.

Guilherme Rodrigues – Toca Surdo de terceira – 4º ano de Publicidade e Propaganda 

Bianca Barbugian | Foto: Divulgação

“Quando eu penso na Bateria só vem coisa boa no coração e na mente…Vem aquela sensação de leveza, alegria e, não importa onde eu esteja, logo começo a ouvir o samba casperiano e mexer de um lado para o outro no ritmo do Surdo. A paixão começou no meu trote, quando vi os ritmistas no Escadão! Comecei a pular muito e cantarolar a letra das músicas que eu não sabia, foi uma energia louca que me conquistou. Logo procurei como fazer parte daquilo: fui ao workshop e passei a frequentar os ensaios aos fins de semana. Desde o início me apaixonei pelo Ganzá, o instrumento maravilhoso que dá brilho ao nosso batuque e que é meu maior xodó. Fazer parte disso tudo foi a melhor escolha que eu fiz! Sempre digo que tocar é uma terapia pra mim. Bateria é família, amizade e amor! Todo o esforço, o cansaço, as bolhas, os calos e toda a dedicação são recompensados pela felicidade e orgulho que é tocar, torcer e gritar pela Cásper, afinal meu coração é branco e vermelho! #BCLEuTeAmo #DeVermelhoTeSigo.”.

Bianca Barbugian – Toca Ganzá – 4º ano de Relações Públicas

Gabriel Ciasca |  Foto: Divulgação

“Meu nome é Gabriel e eu toco surdo de marcação na BCL! Gosto da bateria, porque ela é algo que me faz feliz! Nela eu encontrei as melhores pessoas da faculdade, tocando eu me sinto parte de uma alegria geral! Ver a galera toda animada com o nosso batuque nas festas e no JUCA é uma sensação inexplicável. Eu amo meu instrumento pelo fato de ele ser o coração da bateria.”.

Gabriel Ciasca – Toca Surdo de marcação – 2º ano de Relações Públicas

Beatriz Araújo | Foto: Divulgação

“Entrei na BCL no final de 2014, depois de um amigo me convencer. Parece clichê, mas realmente foi a melhor decisão. Entrei na ripa porque me apaixonei vendo uma veterana tocar e depois que entrei busquei me superar sempre, cada conquista é recompensadora. A Bateria vai te proporcionar os melhores momentos desses 4 anos.”.

Beatriz Araújo – Toca Repinique – Formou-se em Jornalismo em 2017

Yasmin Mussolin | Foto: Divulgação

“Logo que entrei me falaram que você entra por uma coisa e fica por outra. A princípio não entendi direito, entrei por querer ser Cásper e não apenas fazer parte, entende? Queria ser mais do que aluna e por que não ritmista? Mas eu fiquei, fiquei depois do JUCA, fiquei nas férias, eu realmente fiquei, não acreditava que ficaria mas fiquei. Fiquei pelas pessoas, pelos ritmistas que encontrei no caminho, sejam eles bixos ou veteranos, porque foi aqui que eu encontrei minha família casperiana. Aqui fiz meus melhores amigos, pessoas que eu tenho certeza que levarei além da faculdade. Eles são os motivos por eu ter ficado, cada risada, cada nervoso, cada erro, cada acerto… Eu fiquei por isso tudo, eu fiquei pela Bateria e não sei nem como agradecer.”.

Yasmin Mussolin – Toca Caixa – 2º ano de Publicidade e Propaganda 

Conheça algumas músicas da Bateria para já ir ensaiando!

 

Vim da Paulista 900

Vim da Paulista 900
Levo a Cásper no coração
Aguante te apoia todo tempo
Quero te ver ser campeão

Dale dale dale ô
Dale dale dale ô
Dale dale dale Cásper Líbero
Dale dale dale ô
Dale dale dale ô
Dale dale dale Cásper Líbero

 

Que Torcida É Essa

Que torcida é essa?

Ooooo o ooooooo oo oo

Que torcida é essa?

 

Lady Gaga

Oooooo oooo ooo

Cásper Líberô!

Oooooo oooo ooo

Cásper Líberô!

Rah rah rah rah rah

Rah rah rah rah rah

Cásper ulálá

Eu sou da Cásper

Rah rah rah rah rah

Rah rah rah rah rah

Cásper ulálá

Eu sou da Cásper Líbero