Mais em paz, mais sombrio

Por: Ihanna Barbosa

Na madrugada do dia 5 de maio, um ano e quatro meses após seu autoexílio, Tiago Iorc pegou fãs e gravadora de surpresa ao divulgar, ou melhor, publicar seu mais novo projeto, sem qualquer divulgação prévia. O álbum visual Reconstrução se apresenta como uma continuação de Troco like, que já apontava a insatisfação do artista com o mundo das obsessivas aprovações das redes sociais. Em “Desconstrução”, primeira faixa do novo projeto, o cantor fala sobre a prisão solitária e vazia que as redes podem proporcionar. “Ninguém notou sua depressão / Seguiu o bando a deslizar a mão / Para assegurar uma curtida”, encerra a canção de abertura. A introspecção é o ponto central do novo trabalho, que convida o ouvinte/espectador para uma viagem íntima à solidão do compositor, mesmo nas canções mais românticas, “Vamos fugir/ Eu em você/ você em mim/ simples assim/ Vamos sumir /Desaparecer”, canta em “Deitada nessa cama”.

O projeto em si é o anúncio que Tiago está voltando. “Reconstrução” revela que o compositor está em processo de reconstrução pessoal, “Sei /Eu me perdi /Sinto a minha falta. Há /Tanto por vir” anuncia na faixa final “Sei”.