Programas femininos da televisão aberta brasileira – A hipótese do infotenimento

Autora: Gaya Cristina de Campos Machado
Tipo de produção: Produção científica
Classificação: Dissertação/Tese
Data: 24/03/2014

Resumo

Os programas televisivos voltados para o público feminino estrearam junto com as primeiras transmissões da televisão aberta brasileira, nos anos 1950 e a segmentação da programação através dos gêneros é uma estratégia das emissoras deste então. Com a evolução do papel da mulher na sociedade, a combinação de jornalismo e entretenimento nestas atrações passou a ser característica de todos os programas deste segmento em exibição na televisão aberta na atualidade. O  rompimento da fronteira entre informação e entretenimento é chamado pelos pesquisadores em comunicação de infotenimento, gênero tido como sinônimo de jornalismo que traz informação, prestação de serviço e, ao mesmo tempo, oferece divertimento ao telespectador.

Esta pesquisa tem por objetivo compreender como os temas do noticiário são selecionados e adaptados a fim de serem transmitidos nos programas femininos da televisão aberta brasileira e se o resultado final desta seleção e adaptação continua sendo um produto jornalístico; se foi transformado em entretenimento ou ainda se pode ser classificado como infotenimento.

A fim de realizar um recorte no amplo universo de atrações através deste gênero, selecionamos como objeto de estudo três pautas exibidas no programa Manhã Gazeta, da TV Gazeta. Os critérios que envolveram a seleção são meramente acadêmicos, a fim de desenvolver um cenário completo para um estudo possa ser usado como ponto de partida para a interpretação do modo de produção e  veiculação de todas as outras atrações do gênero em exibição na televisão aberta contemporânea, na medida em que todas elas, guardadas algumas características particulares, seguem o mesmo modelo utilizado pelo Manhã Gazeta e descrito neste trabalho. O trabalho tem como referencial teórico autores como Trigo (2003), Martino (2009), Dejavite (2006), Charaudeau (2009), Marcondes Filho (1986) e (1998), Bourdieu (1997), Mininni (2008), Debord (1997), Lasch (1986), e Adorno e Horkheimer (1985).

Palavras-chave: 1. Televisão. 2. Programas Femininos. 3. Produtos midiáticos: Jornalismo e Entretenimento. 4. Infotenimento. 5. Contemporaneidade.