Alunos apresentam plano de comunicação para a Petrobras

Por: Profa. Ágatha Paraventi e Bruna Define do Núcleo de Mídias Digitais da Cásper Líbero

Estudantes do 3° ano de Relações Públicas da Cásper Líbero contam como foi a experiência de participar do 7º desafio de Comunicação e Ética

Alunos dos terceiros anos de Relações Públicas da Cásper Líbero

No dia 25 de junho, encerramento do 7º Desafio de Comunicação e Ética, os alunos dos terceiros anos do curso de Relações Públicas da Faculdade Cásper Líbero apresentaram suas propostas para os desafios lançados pela Petrobras em 17 de abril, data do início da atividade que integra o projeto pedagógico do curso na disciplina “Relações Públicas, Ética e Responsabilidade Corporativa”, ministrada pela Profa. Ágatha Paraventi. No total, foram mais de 60 ações sugeridas para colaborar com três temas reais da organização: “Experiência em treinamentos”, “Cultura e Agentes de Compliance” e “Opinião Pública”.

Os alunos foram avaliados pela liderança de Compliance da organização: Rafael Mendes Gomes, Diretor Executivo de Governança e Conformidade; Demis Bitencourt Ferreira, Gerente Setorial de Desenvolvimento e Integração e Ações de Conformidade e Renata Citriniti, Gerente Geral de Gestão Integrada de Compliance.

“O principal objetivo do projeto é essa troca, a oportunidade dos alunos dialogarem com a alta direção de organizações com desafios reais e receberem um feedback das estratégias e da viabilidade dos projetos”, destaca a Profa. Ágatha Paraventi.

Da esquerda para direita: Demis Bitencourt Ferreira, Renata Pereira Elias Citriniti, Welington Andrade, Rafael Mendes Gomes e Ágatha Paraventi

O projeto deste ano evidenciou ainda mais a importância do diálogo próximo entre a comunicação e os desafios de transformação cultural para integridade.

“Agradeço à Faculdade Cásper Líbero pela oportunidade de fortalecer a parceria entre a Petrobras e a academia. Essa parceria é muito importante para que possamos evoluir, ainda mais, nas práticas de compliance, especialmente quanto às ações de comunicação, que são essenciais para a efetividade de um programa de compliance”, comentou Rafael Gomes.

Renata Citriniti ponderou que “os desafios propostos foram baseados em questões relevantes para a companhia e as contribuições dos alunos provocaram muitas reflexões sobre como podemos otimizar as nossas ações de disseminação da cultura de compliance, considerando diferentes estratégias e aspectos como nossa diversidade de público e distribuição geográfica.”.

Entre os alunos Nathália Vicentin, Lucas Sant’Anna e Mychelle Lima, que participaram da 7ª edição do Desafio de Comunicação e Ética, é unânime a sensação de euforia e emoção em ter a Petrobras como cliente.

Para Nathália Vicentin, participar do desafio foi “intenso do começo ao fim”.

“Quando soube que o cliente dessa edição era a Petrobras eu gelei e pulei de alegria ao mesmo tempo, porque realmente me senti desafiada. Além disso, aprendi a olhar para a ética e compliance dentro das organizações de modo mais apurado, entendi as dificuldades e lacunas em que podem ser (ou não) trabalhadas. Por fim, garanto que o desafio me enriqueceu.”.

Nathália acredita que o maior aprendizado foi a percepção de olhar para o outro, sejam eles funcionários da plataforma ou das sedes administrativas, gerente ou acionista, sociedade externa e/ou do entorno.

“(…). Aprendi a ter mais cuidado com cada tipo de palavra e ação que podemos propor, já que as experiências e realidades do outro não necessariamente são coerentes com a nossa visão de mundo. Assim, devemos sempre ler o contexto em que a organização está inserida para ser mais empático, coerente e assertivo ao que foi proposto e identificado.”.

Já Lucas Sant’Anna aponta como principal desafio alinhar as expectativas de compliance com a área da comunicação:

“As duas áreas estão muito próximas, mas muitas vezes, no dia a dia, não estabelecem um contato necessário para que ambas possam informar e dialogar com propósito e interesse. Ainda é muito difícil falar sobre ética, compliance e comunicação, agora imagina conversar sobre tudo isso junto. Sem dúvidas, uma dos maiores aprendizados é o de driblar esse histórico e trazer cada vez mais a necessidade desses assuntos para as universidades e empresas.”.

Além disso, Lucas destacou a importância da união entre o ambiente acadêmico e o trabalho prático:

“(…). Acredito que a disciplina junto ao trabalho prático desenvolvido criam ambientes de discussão muito importantes para a formação de um comunicador. Os ambientes estabelecem um campo de entendimento diante das maiores adversidades impostas pela sociedade e organizações.”.

A casperiana Mychelle Lima afirma que o maior aprendizado foi conseguir pensar “fora da caixinha”, com confiança.

“Tivemos uma outra visão de agir, estamos muito presos a coisas e visões pequenas, percebemos que podíamos fazer mais, algo diferente. Compreendemos que podemos pensar fora da caixinha. As ações mais bem vistas pela Petrobras foram as que nós não acreditávamos, só no final que confiamos, e tivemos um ótimo resultado. Trabalhar em equipe para algo que te move é muito melhor.”.

Mychelle complementa reforçando a importância do apoio da Profa. Ágatha e dos representantes da Petrobras.

“Cada palavra da professora Ágatha, do Diretor de Compliance da Petrobras, o Rafael Barros, fizeram com que, cada vez mais, entendêssemos o que podíamos fazer de melhor na nossa profissão de Relações Públicas e como pessoas.”.

Ao longo dos sete anos de realização do Desafio de Comunicação e Ética, mais de 1.000 alunos participaram deste projeto de integração entre academia e mercado, que já teve como clientes as empresas Itaú, Siemens, Dudalina, Danone, Whirlpool e Rede Brasil do Pacto Global da ONU.

“Foi uma honra contar com a parceria da Petrobras nesta edição. Agradecemos muito a abertura, transparência e colaboração da empresa com a maior estrutura de compliance do país, que trouxe desafios extremamente relevantes para o estudo prático dos estudantes”, afirma a Profa. Ágatha Paraventi.