Buscar eventos por:

Compartilhe

80 Anos de Plínio Marcos – Leitura dramática

Inscrições encerradas. Para mais informações envie um e-mail para [email protected] ou ligue para 3170-5910 / 3170-5911

Informações gerais

Sala Aloysio Biondi
Data

19/10/2015

Horários

20h40 às 22h30

Descrição

Para lembrar do trabalho do artista Plínio Marcos, que completaria 80 anos em 2015, a Coordenadoria de Cultura Geral promove, em conjunto com o Curso de RTVI, a leitura dramática da peça Navalha na Carne na noite de 19 de outubro, na Sala Aloysio Biondi.

A atividade é destinada aos alunos RTVI e JO e contará com a participação de professores (Welington Andrade, Elizabeth del Nero, Sonia Castino e José Augusto Dias) para contextualizar o tema. Em seguida, virá a leitura dramática da peça “Navalha na Carne”, realizada pela Companhia de Teatro Brodinhos, conduzida por Luiz Hirschamann, aluno de RTVI.

Sobre o autor
Plínio Marcos de Barros (Santos, 29 de setembro de 1935 — São Paulo, 19 de novembro de 1999) foi um escritor brasileiro, autor de inúmeras peças de teatro, escritas principalmente na época do regime militar. Foi também ator, diretor e jornalista. Considerado um autor maldito, Plínio Marcos foi um dos primeiros a retratar a vida dos submundos de São Paulo. Poucos escreveram sobre homossexualidade, marginalidade, prostituição e violência com tanta autenticidade.
Na mesma época da novela Beto Rockfeller, Plínio era visto pelos militares que governavam o país como um "inimigo do sistema". Após o ano de 1968, o teatro de Plínio Marcos era sistematicamente censurado. Até mesmo Dois Perdidos Numa Noite Suja e Navalha na Carne, que já haviam sido apresentadas em diversas regiões do país, foram interditadas em todo o território nacional.
Na década de 70, Plínio Marcos era o próprio símbolo do autor perseguido pela censura. Incomodava a ditadura e a Censura Federal. Foi preso pelo 2º Exército em 1968, sendo liberado dias depois por interferência de Cassiano Gabus Mendes, então diretor da Televisão Tupi. Em 1969, foi preso em Santos, no Teatro Coliseu, por se recusar a acatar a interdição do espetáculo Dois Perdidos Numa Noite Suja, em que trabalhava como ator. Foi transferido depois, do presídio de Santos, para o DOPS em São Paulo, de onde saiu por interferência de vários artistas e sob a tutela de Maria Della Costa. Além dessas prisões, foi detido para interrogatório em várias ocasiões.

Público

Alunos do 1ºRTVIC,  2ºRTVIC e 1ºJOD. As turmas da manhã são convidadas a participar também.