Entrevista com Vanderlea Tarantelli

Por: Faculdade Cásper Líbero

Vanderlea Tarantelli, jornalista formada
pela PUC-SP e relações públicas formada
pela Cásper Líbero
 

Vanderlea Tarantelli, jornalista formada pela PUC-SP e relações públicas formada pela Cásper Líbero, trabalha na Secretaria de Logística e Transportes desenvolvendo todos os eventos da área de logística e transportes rodoviário e demais modais no Estado de São Paulo, além de ser sócia da Diferencial Assessoria em Comunicação(www.diferencial.com.br) que oferece diversas ações de comunicação aos seus clientes, como revistas especializadas, jornais e construção de redes sociais. A profissional de Relações Públicas compartilhou seu vasto conhecimento e experiência no setor público, área onde atua desde 1988.

Você possui quantos anos de experiência na área?

Minha experiência em Comunicação iniciou-se em 1986 quando entrei no curso de Relações públicas na Universidade de Caxias do Sul. Em 1988, transferi minha residência para são Paulo e me matriculei no curso de Jornalismo da PUC-SP.

Trabalhei na Assessoria de Imprensa da extinta Secretaria do Menor de 1988 até o ano de 1994, onde desenvolvíamos muitas ações pertinentes a Relações Públicas, principalmente participação em grandes eventos como a Eco-92, no Rio de Janeiro. Foi uma excelente oportunidade de mostrarmos os trabalhos desenvolvidos pelo Governo do Estado de São Paulo para um órgão como a UNICEF, visitas dos reis da Suécia, do então senador pelo Teneesee, Al Gore, que no ano seguinte seria eleito vice-presidente dos EUA, além de inúmeras ONG‘s que queriam conhecer nosso trabalho. Outro importante trabalho deste período foi participar da visita da Princesa Diana na Febem Sampaio Vianna, abrigo de crianças de 0 a 5 anos com HIV+.

Em 1995, me transferi para a CESP – Cia Energética de São Paulo, mas para a gerência de Relações Públicas. Sentindo falta de uma complementação específica para atuar junto aos públicos específicos que uma empresa governamental se relaciona decidi, em 1998, inscrever-me no vestibular de RP da Cásper Líbero incentivada pelo querido amigo e então colega de empresa Professor Sergio Andreucci.
Aprovada  no vestibular posso dizer que cursar RP na Cásper Libero foi uma das maiores experiências da minha vida, até porque, com uma idade mais madura aproveitei o conteúdo de uma maneira mais aberta, transferindo-o de imediato para minha vida profissional já em andamento.

Em quais setores relacionados à RP a senhora já trabalhou?

Trabalhei sempre no setor governamental: Secretaria do Menor / Febem, CESP, CTEEP – Cia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (neste período destaco como principal experiência adquirida ter participado do dataroom do PED – Programa de Desestatização do Setor Elétrico do Estado de São Paulo (visitas técnicas, audiências públicas com públicos variados (investidores internacionais, acionistas, Bovespa, deputados), além das inaugurações das grandes Usinas Hidrelétricas do Estado de São Paulo como Três Imãos, Rosana, Porto Primavera, Canoas I e II), organização do XVI Seminário Nacional de Produção e Transmissão do Setor Elétrico, este uma vitória pois foi realizado com a participação de 5 mil profissionais do setor em pleno período da crise energética no país, em 2001. 

Em 2006 voltei para a CESP por um curto período. Recebi um convite para coordenar a área de Comunicação do FUSSESP – Fundo Social do Estado de São Paulo onde conseguimos implementar algumas ações interessantes na Campanha do Agasalho, como o Projeto Esquenta que por um período de três meses de duração da campanha contratávamos as costureiras das escolas de samba da Mocidade Alegre, Vai-Vai e Vila Maria para confeccionar roupas novas para a campanha (parte revertida para a própria comunidade). Todas as costureiras participaram de um curso no SENAI onde foram certificadas. Durante todo o período da Campanha receberam o piso salarial da categoria. No encerramento da campanha elas apresentaram as peças criadas para todas as primeiras-damas do Estado, peças que foram desfiladas por membros mirins das próprias escolas de samba. Foi a primeira vez que essas escolas se apresentaram o Palácio dos Bandeirantes, sede do Governo paulista. Até hoje é um motivo de orgulho conseguir juntar públicos tão distintos em uma mesma oportunidade e para uma mesma finalidade. Também fizemos o evento de 40 anos do Fundo Social onde reunimos todas as primeiras damas do Estado ou um familiar para representar. 

Em 2008 me transferi para a assessoria de comunicação da Secretaria de Logística e Transportes que cuida de toda a infraestrutura viária do Estado de São Paulo, o que não é pouca coisa: 15 mil km de malha rodoviária, 31 aeroportos estaduais, 20 concessionárias, Porto de São Sebastião, Hidrovia Tietê-Paraná, construção do Rodoanel Mário Covas nos trechos sul (concluído), Leste (em andamento e Norte (recém-iniciado), além de lidar com os públicos de nossas empresas: DERSA, DER, ARTESP, Docas de São Sebastião, DAESP (departamento aeroviário) e Departamento Hidroviário. São eventos de grandes obras viárias que entregamos toda semana em todo o Estado.

O que te fascina na área de RP?

 O que mais me fascina é exatamente o relacionamento do relações públicas com seus mais diversos públicos. Tive oportunidade de trabalhar em dois setores da área governamental: setor social e setor de infraestrutura (energia e transportes). Posso dizer que a mesma preocupação que um RP da iniciativa privada tem em se relacionar com os públicos da empresa, o RP governamental também possui em fornecer um atendimento aos seus públicos e a sociedade.

São 27 anos dentro da área de Comunicação / Relações Públicas.

Qual a maior diferença em relação ao modo de trabalho, entre o setor público e o setor privado?

O Estado de São Paulo é impressionante pela sua grandeza. Por isso o setor público é imensamente mais cobrado que o setor privado. Temos a obrigação em prestar excelente qualidade nos serviços oferecidos à população. E toda nossa atenção especial ao nosso principal cliente: a sociedade paulista.