A construção do Eu na narrativa jornalística

Por: Vera Helena Saad Rossi

Revista Comtempo

Revista Eletrônica da Pós-Graduação da Cásper Líbero – ISSN 2176-6231
Volume 7, nº 2 – maio/ago. 2015

Resumo
O texto narrado na terceira pessoa garante, a princípio, uma pretensa isenção, uma vez que aparenta a ausência de subjetividade na linguagem produzida. Observamos, porém, que a objetividade almejada nos órgãos de imprensa pressupõe inevitavelmente a subjetividade do jornalista. Investigaremos no presente trabalho de que maneira é engendrado o Eu na linguagem jornalística, ainda que sob a narrativa na terceira pessoa. Analisaremos duas reportagens dos veículos Estadão e Folha de São Paulo. A escolha do tema político é proposital, uma vez que avulta a importância da objetividade, do contrário, a própria democracia é ameaçada.

Palavras-chave
Subjetividade. Objetividade. Discurso. Linguagem jornalística

Leia o artigo completo.