Dos protestos às baladas

Divulgação

Este número da Revista Esquinas procura investigar, por meio de vários caminhos, a vida dos jovens de hoje: sua atuação política, seus sonhos, seus hábitos, suas transformações etc. Virou lugar-comum dizer que os jovens são alienados e pouco se importam com o destino coletivo do país; que estamos diante de uma juventude que, no máximo, protesta protegida por um teclado e uma tela de computador, e que prefere as luzes piscantes de uma casa noturna, numa das tantas baladas que acontecem em São Paulo. Verdade, ou apenas uma dificuldade de compreender o que se passa na cabeça dos jovens de hoje? 

Talvez nem uma coisa, nem outra, como revelam as matérias reunidas nesta revista. Para este número, feito por alunos de Jornalismo da Faculdade Cásper Líbero, principalmente pelos estudantes do primeiro e do segundo ano, procuramos montar uma pauta que abarcasse todos esses lados. 

Demos especial atenção aos movimentos coletivos, com suas manifestações de rua, como os protestos no ano passado contra a desocupação violenta de Pinheirinho, em São José dos Campos, a Marcha da Maconha, os “escrachos” em frente à casa de torturadores do período militar, a Marcha das Vadias, contra o machismo que ainda impera no país; também procuramos conhecer os anseios da chamada “nova classe C”, a partir de entrevista com o cientista político André Singer; dedicamos algumas páginas com matérias e fotos aos movimentos culturais do centro e da periferia. Também conversamos com personalidades de outras gerações, buscando sua memória de juventude e como eles veem os jovens de hoje.

E, como não poderia deixar de ser, numa juventude fortemente visual, incluímos também uma reportagem em quadrinhos. É uma pequena mostra da vida dos jovens nesse primeiro decênio do século 21.  Há muito ainda para sonhar e lutar num país como o nosso, que só agora começa a superar, ou a procurar superar, suas mazelas históricas. Ainda haveria, certamente, muitas outras pautas, mas que não couberam nestas páginas. 

Este número abre com um Especial Holanda, trazendo matérias de nossos alunos feitas na Holanda por meio do intercâmbio entre a Faculdade Cásper Líbero e a Christelijke Hogeschool Ede, coordenado em São Paulo pela correspondente holandesa Stijntje Blankendaal. Os jovens de cá vendo os jovens de lá.Como tem sido uma prática da revista, a edição ficou a cargo dos próprios alunos da faculdade, especialmente da estudante Mariana Marinho, que substitui Tiago Mota, no cargo de editor, e fez um belo trabalho.