Lágrimas de ensinamento

Por: Talita Ottani Mônaco, aluna do 1º ano de jornalismo

A culpa é das Estrelas, de John Green aborda a brevidade da vida

 

Crédito: Reprodução

Com a promessa de fazer rir e chorar, principalmente chorar, A Culpa é das Estrelas, do americano John Green, conta a história de Hazel Grace, de dezesseis anos, que aos treze descobriu ter câncer de tireoide com metástase nos pulmões. 

Por conta das situações pelas quais passou, torna-se uma menina amargurada e conformada com a certeza iminente da morte. Sua vida muda ao conhecer, durante a reunião de um grupo de apoio para vítimas de câncer, Augustus Waters, vítima de um tumor nos ossos que está em remissão.

Apesar de o romance ser introduzido de maneira um pouco apressada, a forma como é desenvolvido conquista o leitor rapidamente. A relação entre o casal é salpicada da inocência juvenil, mas possui um tom de maturidade que se torna importante para compreender a situação em que ambos se encontram.

Narrado do ponto de vista de Hazel era de se esperar que sua personalidade fosse a única realmente desenvolvida. John Green, ao contrário, consegue surpreender ao aprofundar de maneira cativante as personagens de Augustus e de Isaac, colega de grupo de apoio da protagonista. Ambos conseguem conquistar o leitor e, por meio de suas falas e da descrição de seus gestos, esclarecer a situação em que se encontram e como se sentem com relação a isso. 

Infelizmente, um dos maiores defeitos do livro é que o autor não teve o mesmo cuidado com as figuras paternas, tanto de Hazel, quanto de Augustus. Eles estão presentes, mas não conseguem refletir a importância da família dentro de uma situação tão delicada quanto à apresentada.

Nesse tipo de livro, a possibilidade da reflexão acerca da doença tomar conta inteiramente do livro é grande. John Green não deixa que isso aconteça. Além da problemática da doença, a obra expõe conflitos típicos da adolescência, assim como a construção de uma bela amizade. 

Traz à tona a discussão do valor da juventude e de como é necessário que ela seja aproveitada. Sendo voltado ao público da mesma idade da protagonista, utiliza a linguagem ideal para conquistar, mas não deixa de lado a seriedade com a qual o tema central deve ser tratado.

Uma leitura rápida, A Culpa é das Estrelas é ótima opção para passar o tempo e refletir sobre a brevidade da vida, desde que, é claro, se esteja com a disposição de estar sempre acompanhado, durante a leitura, de uma caixa de lenços de papel.